Aquele lado de mim, que também pode estar dentro de cada um de vós(nós).
 
InícioFAQCalendárioGaleriaBuscarRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Castanheira de Pera
Dom Maio 26, 2013 5:07 am por JPais

» Bairrada e cogumelos com Jose Porvinho
Qua Nov 14, 2012 12:44 pm por JPais

» Jose Porvinho Convida :
Qua Nov 14, 2012 12:22 pm por JPais

» O Mundo dos cogumelos com Jose Porvinho
Qua Nov 14, 2012 12:10 pm por JPais

» O Mundo dos Cogumelos
Qui Jan 26, 2012 8:20 am por JPais

» Aidos da Vila - O Mundo dos Cogumelos
Seg Jan 02, 2012 10:33 am por JPais

» Leitão à Bairrada - Maravilha de Portugal
Ter Ago 23, 2011 2:44 pm por JPais

» Amostra aleatória
Seg Ago 01, 2011 4:58 pm por José Porvinho

» ANO INTERNACIONAL DA BIODIVERSIDADE
Ter Jun 21, 2011 1:56 pm por José Porvinho

2010
Volte sempre!
Portugal
Visitantes
litterature
PT
Social bookmarking
Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de José Porvinho em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de José Porvinho em seu site de social bookmarking

Compartilhe | 
 

 A Minha Aldeia

Ir em baixo 
AutorMensagem
José Porvinho
Owner
Owner
avatar

Masculino
Número de Mensagens : 216
Idade : 54
Emprego/lazer : Eng.Florestal/escritor/técnico
Localização : Castanheira de Pera/Bairrada
Data de inscrição : 26/11/2008
Sociavel : 10
Pontos : 3977

MensagemAssunto: A Minha Aldeia   Ter Dez 09, 2008 7:11 pm

A nossa aldeia é a mais importante do mundo. Tal qual!
Tal qual a nossa família, a nossa casinha e concerteza que, a nossa
barriguinha!
A nossa aldeia, mesmo quando já lá não habitamos - ou tal facto, até
ajuda normalmente a concluir tal – ela foi e será sempre a nossa
terra, o nosso habitat, o nosso cantinho do mundo mais intocável; onde
temos as nossas raízes e onde encontramos daquele carinho especial,
como em mais nenhum lugar do mundo. E nutrimos a partir das velhas
lembranças, dos melhores estímulos. E bebemos a partir dos aromas mais
ancestrais, dos melhores alentos. E é a partir destes estímulos e
alentos, que nos seguramos e nos mantemos, bem firmes e até às mais
longínquas paragens – é aí mesmo, que mais podemos e devemos
engrandecer as nossas origens e sentir daquela salutar e muito
própria... saudade.
E cada aldeia, por mais pequena e modesta que seja conta as suas
histórias e acalenta e protege os seus, como mais nenhuma o poderá
fazer.
E como ponto perdido no mapa, no qual nunca constou, nem consta; lá
aparece na realidade no meio da paisagem, quando menos se espera.
Armando-se do chão todo o casario, enfileirado nas suas ruas
estreitas, a confluírem no largo central, dominado pela capela e pela
taberna da frente; como que a convidar a uma obrigatória paragem a um
qualquer peregrino ou a outro tipo de transeunte mais ou menos
cansado, mais ou menos desidratado!
E quase sempre fala-se das aldeias pelos piores motivos, associado a
catástrofes, acidentes, crimes e afins. Ainda bem que a minha aldeia
não vem no mapa, nem nunca constou dos noticiários.
Conhecida sobretudo, por estar no centro de duas das aldeias mais
famosas do país e por bons motivos, a Curia e o Luso, com o Bussaco
por cima, também com aldeia incluída e tudo. E de duas das mais jovens
cidades: Anadia e Mealhada – digamos que paredes-meias, mas com Grada
bem ao centro. Grada, podemos dizer, que é o Centro dos Centros, no
Centro do país.
Claro que a minha aldeia é também grande. Grande de Grade sem n e
ainda sagrada, de sã mais Grada.
Grada, vem obviamente pelos seus modos francos, de agradar; pelo
léxico, de sagrada e pela prova provada, proveniente de tanto trabalho
de transformação do solo em terra cultivada, de gradar.
Tirando este aparte “insuspeito”, não são muitas de facto as aldeias
famosas pelos melhores motivos, além das nossas, é claro. Recordo-me
assim de repente de umas tantas estâncias turísticas e de Vilar de
Mouros, de Vilar de Perdizes, de Vilar de Andorinho, o Vilar do
Paraíso, do Vilar do actual 1º ministro (Vilar de Maçada) pois é, do
Vilar de , de Vilar de...
A nossa aldeia mais incógnita, mas mais famosa por ser terra nossa e
que mantém mais ou menos incólumes, a sua identidade, o seu cenário, a
sua singeleza e que sobretudo, ainda sabe e conhece, os seus.
A nossa aldeia, é e ainda será, aquele nosso reduto mais intimista,
como um tesouro sempre presente a que temos direito. Usufruído pelos
seus poucos filhos, no prazer do reencontro e na recompensa do regresso.
Ó nossa aldeia mais desconhecida, mas que nos acolhe e nos ampara e
nos... responsabiliza!
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.joseporvinho.net
 
A Minha Aldeia
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Irmãos de Jesus - Quem são os filhos da minha mãe?
» Bom dia minha irmã Agna Lima.
» pedido de oração pela minha mãe
» Minha irma morreu , BETINHA DESCANSE EM PAZ , SAUDADES
» "Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa e

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
José Porvinho :: Bairrada e...-
Ir para: