Aquele lado de mim, que também pode estar dentro de cada um de vós(nós).
 
InícioFAQCalendárioGaleriaBuscarRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Castanheira de Pera
Dom Maio 26, 2013 5:07 am por JPais

» Bairrada e cogumelos com Jose Porvinho
Qua Nov 14, 2012 12:44 pm por JPais

» Jose Porvinho Convida :
Qua Nov 14, 2012 12:22 pm por JPais

» O Mundo dos cogumelos com Jose Porvinho
Qua Nov 14, 2012 12:10 pm por JPais

» O Mundo dos Cogumelos
Qui Jan 26, 2012 8:20 am por JPais

» Aidos da Vila - O Mundo dos Cogumelos
Seg Jan 02, 2012 10:33 am por JPais

» Leitão à Bairrada - Maravilha de Portugal
Ter Ago 23, 2011 2:44 pm por JPais

» Amostra aleatória
Seg Ago 01, 2011 4:58 pm por José Porvinho

» ANO INTERNACIONAL DA BIODIVERSIDADE
Ter Jun 21, 2011 1:56 pm por José Porvinho

2010
Volte sempre!
Portugal
Visitantes
litterature
PT
Social bookmarking
Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de José Porvinho em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de José Porvinho em seu site de social bookmarking

Compartilhe | 
 

 Qual crise, qual “carapuça”.

Ir em baixo 
AutorMensagem
JPais
Owner
Owner
avatar

Masculino
Número de Mensagens : 85
Idade : 54
Emprego/lazer : Eng. Florestal/Escritor/Tecnico
Localização : Castanheira de Pêra - Anadia
Data de inscrição : 24/11/2008
Sociavel : 1
Pontos : 3718

MensagemAssunto: Qual crise, qual “carapuça”.   Ter Nov 25, 2008 12:35 pm

A CULPA NÃO É DE NINGUÉM

Qual crise, qual “carapuça”.
De mim, é que não é a culpa!
Isso é o que todos dizem. É caso para dizer que somos todos uns inocentes. Coitados de nós, sempre vítimas de não se sabe muito bem o quê.
A culpa de nós é que não é!
Até somos todos muito responsáveis, bons profissionais, até fazemos coisas importantes e muitas vezes mais do que devíamos; portanto, definitivamente, não é nossa a culpa!
A culpa, não é dos patrões, dizem os patrões.
A culpa, não é dos empregados, dizem os empregados.
A culpa, não é dos privados, dizem os privados.
A culpa, não é da função pública, dizem os funcionários públicos.
A culpa, não é dos políticos, dizem os políticos.
A culpa, afinal e de facto, não é de ninguém!
Ou talvez seja. É isso, é do sistema.
Como é que nos poderíamos estar a esquecer do sistema, esse monstro horrível. Agora já podemos todos dormir mais descansados, pois mais nada poderemos fazer. A culpa, de nós é que não é!
Se calhar, não há é nenhuma crise. Até nunca vivemos tão bem. E ainda bem. Só não percebo é porque se insiste em falar da crise. A mim, o que me importa tão simplesmente, é que me deixem sossegadinho, no meu canto e não estejam para aí com ameaços, de que não me sobem o ordenado acima da inflação, de que me cortam na reforma, de que vou pagar mais de electricidade, de água, de gás, de juros, de portagens, de combustíveis, de propinas, de... e, mais e mais. Pronto, eu protesto, eu não aceito que assim venha a ser; porque a culpa não é minha!
É isso, a culpa a haver é dos outros. Claro e evidente, mas é que não tenho qualquer dúvida; de mim é que não é!
Já sei. A culpa é do capitalismo e das multinacionais. É do Euro e da União Europeia. É dos americanos e dos árabes. Dos pesticidas e do ambiente. Dos agricultores e dos comerciantes. Dos políticos e dos sindicalistas. Do mercado único e dos chineses. Da comunicação social e da CP e da TAP e da Cultura e da Educação e dos tribunais e dos engenheiros e da juventude e do futebol e dos estádios e dos construtores e dos concursos e das novelas e dos feirantes e dos... e dos...; de mim é que não é!
Porque é mesmo assim. A mim ninguém me dá nada. Eu trabalho, eu cumpro, eu pago, eu participo e ajudo, eu faço, eu..., eu sou um cidadão ideal, que já tem obrigações a mais e de mais; exijo é mais direitos e mais ordenado e menos trabalho e menos responsabilidade e que não me chateiem, nem me digam nada. E que me ouçam, que me ajudem mais, que ensinem melhor os meus filhos, que os levem a casa, que lhes paguem os livros e as refeições. Mais, exijo que não se pague nada nos hospitais e nas farmácias e que nos atendam quando nós pretendemos, sem esperas, com bons modos e com o melhor profissionalismo e competência. Aliás, também quero uma casa melhor e um bom emprego para o meu tio, a minha sobrinha e a minha cunhada. É que eles são todos bons, não é por serem da minha família; não lhes têm é arranjado um emprego compatível com as suas habilitações. Porque, para quem andou a estudar até ao 9º ano, não podem aceitar qualquer coisa. Ou então, que o façam eles. Eles? Mas eles quem? Ora, os outros – os culpados. Pois, se fossem todos como eu... isso é que era. Estávamos todos bem. Isso é que é a realidade. Mais uma vez, eu é que não tenho culpa!
Outra coisa; eu quero lá saber da construção europeia, da NATO, do buraco do ozono ou das espécies ameaçadas e do,... Bem, eu não fiz nada que prejudicasse fosse o que fosse; aliás, muitas das coisas que acontecem de mal, eu até só sei pelos outros e pelas televisões. Eu estou de consciência tranquila e isso é que conta; jamais a culpa foi minha!
E sobre a Europa? Mas, eu quero lá saber da Europa. Eu nem nunca saí de Portugal. E sobre isto e aquilo, evitam de perguntar mais; pois, não fui eu!
2008
Voltar ao Topo Ir em baixo
https://www.youtube.com/JosePorvinho
 
Qual crise, qual “carapuça”.
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Qual o nome da propriedade?
» O Grande mistério da Natureza - A Origem de tudo que existe.
» Função trabalho - (emissão de elétrons)
» raciocinio logico
» Qual a sua classificação e qnts posições vcs ja cairam?

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
José Porvinho :: Textos-
Ir para: